05 novembro 2008

Obama

Hoje, depois de muitos meses, volto para saudar esse evento mundialmente marcante. Não sei que conseqüências ele trará para o mundo, mas, espero sinceramente que o torne melhor. Refiro-me à eleição de Obama, que também é Husseim, como Sadam, aquele que, embora tirano, era mais coerente e menos hipócrita do que o tirano que o pendurou pelo pescoço; dessa vez, refiro-me ao abjeto Bush.

Torço para que esse meu colega de profissão (advogado) e tão mulato quanto eu tenha o máximo sucesso na condução das políticas interna e externa estadunidenses. Espero que ele limpe a sujeira de seu antecessor, que tenha êxito nessa "faxina" na imundície que o aristocrata sulista deixou.

O foco não pode ser a cor de sua pele, ao menos se quisermos realmente nos desapegarmos do condicionamento racista, mas a sua conduta, a sua inteligência e a sua sensibilidade, perante os inúmeros e graves problemas que terá de enfrentar.

Aliás, dois feitos mundialmente consideráveis de dois egressos dos oprimidos por suas origens, em menos de três dias: o campeonato de Hamilton, num meio eminentemente de brancos ricos e a vitória de Obama, num dos países ícones do racismo mundial.

Espero que logo a origem das pessoas, seja ela de qualquer natureza, não seja sequer um detalhe irrelevante. Que nos reconheçamos como semelhantes, capazes de amar, de odiar, de sorrir e de sofrer, apenas porque somos GENTE.

Em homenagem a todos os oprimidos, seja pelo motivo que for, republico um poema que escrevi quando assisti horrorizado a invasão do Iraque pelo ganancioso e sanguinário Bush e as conseqüências terríveis que isso causou.

Abraços a todos e saudades.


Miscigenação

Os nossos sangues se misturarão.
A despeito de teu desrespeito, de teu preconceito sujo,
injusto, ignóbil e imperfeito.
Os nossos sangues se misturarão.
Em nossa dança de exclusão em que me lanças ao nada,
ao desencanto, sem afagos, cantos ou pousadas,
sem amparo ou compaixão.
Os nossos sangues se misturarão.
Para teu desespero, sucumbido e imerso em insanável desmazelo.
Os nossos sangues se misturarão.
Ao definhares todos os dias em tua própria prisão e agonia,
conhecerás já sem alarde nossa insofismável realidade.
Os nossos sangues se misturarão.
Engana-te em tua cegueira, vaidade tola e confusão,
quanto ao azul do teu, mas, quanto ao vermelho do meu, não.
Os nossos sangues se misturarão.
Nas veias de nossos rebentos, ou sobre calçadas bombardeadas,
ou em leitos fétidos e pestilentos.
Os nossos sangues se misturarão.
No entrelace de taças perfumadas,
ou sobre os campos de superfícies turvadas,
por ódio, rancor e danação.
Os nossos sangues se misturarão.
Até que implores para que te livrem de tua sorte nefasta,
de tua consangüinidade maldita,
de tua genética aleijada,
de tua amargura inaudita.
Os nossos sangues se misturarão.
Por tua arrogância risível e tua empáfia inútil,
por teu egoísmo famélico e teu capricho fútil.
Os nossos sangues se misturarão.
Porque tua concupiscência de glutão não te basta,
para consagrares tua casta,
nem alcançares a perseguida redenção.
Os nossos sangues se misturarão.
Na confluência de todos os rios
que trazem em suas correntes navios
transbordantes de vida, graça e emoção,
os nossos deuses, que nos condenaram, enfim apaziguados,
pelo sangue de todos os degolados,
para nossa surpresa e salvação,
nos envolverão num só abraço e chorarão
apagando com suas lágrimas os traços da espada e do canhão,
do apego, da soberba e da ilusão,
e assim, sem que mais ninguém ou nada mais nos impeça,
para sempre,
Os nossos sangues se misturarão.
(Elcio Domingues)

9 Comments:

Anonymous Márcia(clarinha) said...

Eis-me aqui de regresso para saudar Obama, sim, estou contente também.

Obama nas alturas!!!

Olha, olha, olha, quem é vivo sempre aparece, seja bem vindo amigo.

lindos dias,
beijos

05 novembro, 2008 12:03  
Blogger Janete Cardoso said...

Querido!

Olha... tô emocionada, não apenas com a grande vitória de Obama, mas também com seu poema MARAVILHOSO!

eu te amo, sabia?
some não. Beijo

05 novembro, 2008 19:46  
Blogger Tamara said...

Eu sabia que ele ia ganhar. Mas não sei quem será o prefeito da minha cidade. HUNF.


.....
Sabe, assisti a um debate, no Centro Cultural, de dois escritores africanos e estou até agora digerindo tudo o que ouvi da "moça" de Moçambique. O tema foi VIOLÊNCIA & LITERATURA.

Você ia gostar, com certeza.

B-joletas

06 novembro, 2008 00:15  
Blogger Lidiane said...

Élcio.

Sonho em um dia que sejamos todos iguais, independente da etnia e do credo.
Belo texto, viu?

Viva a liberdade! E, a democracia!

Super beijo pra você.

06 novembro, 2008 15:03  
Anonymous edson marques said...

Élcio,

Talvez eu esteja muito entusiasmado, mas considero a eleição do Obama o fato mais marcante acontecido, até agora, no século 21!


Vamos abrir uma Itaipava Premium para comemorar!



Abraços, flores, estrelas..

07 novembro, 2008 11:16  
Blogger Sah Elizabeth said...

Vivas! À virada histórica e ao seu regresso!

Também sonho com o dia em que não sejamos diferenciados pela cor da pele, credo ou posição, mas pelo que somos e fazemos.

M a r a v i l h o s o poema! :)

Um grande abraço!

11 novembro, 2008 15:56  
Anonymous Pierella said...

yes he can!
Élcio, vim visitá-lo depois de um longo período, qta coisa perdi!
um abraço!

20 novembro, 2008 12:43  
Blogger Tânia said...

Putz até eu que ando sumida( Nem Pe Quemeda dará fim à este mistério do meu sumiço bate e volta, pois agora ele e eu viramos amiguinhos...rssssssss) deixei de escrever neste fim de 2008...
Booooooooraaaaaaa 2009 esta chegando e desejo que seja cheio de mistérios e boas surpresassssssss.

Beijo querido

Feliz 2009

28 dezembro, 2008 12:28  
Anonymous Rose said...

Olá! Tenho a impressão que a história irá mudar com Obama. Estou voltando! Passei aqui para conferir as novidades e convidá-lo para conhecer meu novo espaço. Lindo poema!
Grande Abraço!

02 fevereiro, 2009 12:20  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home