20 março 2007

Vampiro.

Se me perguntasses:
O que queres de mim?
Responderia com a convicção dos sensatos:
O teu sorriso, o teu útero, os teus ovários!
Desconcertada, tu ririas.
Eu, sinceramente te diria:
Quero-os, apenas, isso me basta.
Que estranha a tua vontade! Replicarias.
E eu, cara a cara confessaria:
Inexplicável é a sede de teu sangue vivo,
A saudade que me vergasta, como a um ímpio;
Estranho é desejar tanto perpetuá-la,
Nesta minha existência já arredia e
Em minha boca, desde muito, árida.
Fosse eu Deus, o acaso ou a ciência,
Tomaria imediatas providências,
Para que, insana, me desejasses.
E no teu ventre, buscaria obstinado,
A semente que às minhas uniria
E tudo o que somos, seria eternizado,
No gozo da imortalidade, na sanha do profano,
Na paz do que é sagrado.

(Elcio Domingues)


11 Comments:

Blogger AgniGuran said...

seu texto não deixa espaço para comentários. publicou? imprimiu? distribuiu? declamou?

20 março, 2007 18:01  
Blogger Sakana-san said...

Este comentário foi removido pelo autor.

20 março, 2007 18:17  
Blogger Sakana-san said...

Tb conheci um sujeito interessado em meu útero e ovários...

20 março, 2007 18:17  
Anonymous Anônimo said...

Amigo Élcio
Quantas vezes não fui e ainda serei como este Vampiro de tão fabulosa poesia?!!
Me fez lembrar o quanto o meu perpétuo prazer em ser como este vampiro é incomensurável, e o quanto está arraigado nos meus mais contidos e lastimosos momentos de euforia, exatamente por serem... efêmeros!
E sendo assim, estes mesmos momentos me conduzem, afetuosamente, a uma satisfação plena em que me regozijo, aguardando que sejam efêmeros, sim, enquanto eu encontrar sinceridade nos meus próprios sentimentos.
Pois nos enganamos repetidamente, agradando e privilegiando nosso hedonismo, e, raramente, nos damos conta disso.
Até mesmo por ser irrelevante, quando, é claro, damos preferência à nossa profunda dedicação numa das mais preciosas das buscas, muito bem retratada na tua poesia.
Abraço
Márcio Luiz

21 março, 2007 19:38  
Blogger Tânia said...

Elcio este vampirismo poetico me faz pensar em guardar o crucifixo, alho e afins...
Poesia que nos faz ver o qual intimo esta procura pode ser...
Beijo imenso.

22 março, 2007 11:45  
Blogger Tamara said...

Belamente, estranho!

........
Ou será apenas "a conversa" de um vampiro para saciar-se de sangue vivo(rs)?

........
Estranhamente, belo!

27 março, 2007 02:05  
Blogger Sakana-san said...

Oh, sim! O carcamano queria um filho comigo, mas, ainda não me convenci de que parindo um, este mundo ficará melhor ou será um ambiente apropriado a ele...

27 março, 2007 16:58  
Anonymous Edson Marques said...

Meu aplauso!

28 março, 2007 19:29  
Blogger Elcio said...

Ai xará, brincando como o sagrado e o profano? Gostei!
P variar né?
Pq sera q sempre endeusamos as mulheres? Acho q as temos assim nessa condicao desde sempre.
Ave ladys....rss

É isso ai.
[ ]'s

29 março, 2007 14:03  
Blogger Lidiane said...

Gostei.
De verdade.

04 abril, 2007 11:36  
Blogger إسرائيل said...

Descobri o seu blog por acaso, por meio de indicação do blog "Gallapagos".

Gostei muito dos seus textos, em especial deste "Vampiro" de diferente e insaciável sede...

Parabéns!

Israel

21 novembro, 2007 14:44  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home